O meu Twitter

domingo, 4 de outubro de 2009

Amadora-Sintra - PJ deteve suspeito de violar e roubar enfermeira

Amadora-Sintra: PJ deteve suspeito de violar e roubar enfermeira
Violador do hospital foi vítima da mãe
Alípio Cunha sobreviveu mas as duas balas ficaram-lhe alojadas na cabeça. O caso foi acompanhado pelo CM -->

Alípio Cunha passou de vítima a agressor. Em Janeiro de 2006 a mãe contratou um casal de brasileiros para o matar no seu café. Levou dois tiros na cabeça, mas sobreviveu. Perdeu o café e ficou desempregado e sem dinheiro. Foi ele que ao final da noite de 22 de Setembro último violou, roubou e sequestrou uma enfermeira do Hospital Amadora-Sintra, apanhando-a no estacionamento quando ela saía do turno. Um crime brutal que chocou o País. Alípio foi detido anteontem pela PJ, em Torres Vedras, ainda na posse de um relógio e a carteira da vítima.

O homem, de 27 anos, confessou estar "desempregado e a precisar de dinheiro para satisfazer compromissos". Nada que justifique o que fez naquele estacionamento, que escolheu por ser reservado e mal iluminado. O residente em Torres Vedras – casado e com uma filha – ‘fitou’ a vítima pela sua baixa estatura. A enfermeira, de 25 anos, passou no local errado à hora errada e foi atacada quando caminhava para o carro e falava ao telemóvel com a mãe.

Ameaçada com uma pistola, a vítima foi forçada a entrar para o carro do violador. Já com o código dos cartões multibanco da vítima, o agressor levantou 400 € (que gastou pouco depois).

Violada na mata de Queluz, a vítima fugiu três horas após o rapto. Apesar de ter ficado em choque, a enfermeira colaborou com a PJ, descrevendo o homem. E foi assim que se chegou a Alípio Cunha, que quando foi detido ainda tinha a pistola usada no crime, o carro em que sequestrou a jovem enfermeira e o relógio e carteira da mesma.

Alípio estava "fora de si" desde que foi alvo da cilada montada pela mãe. Tal como o CM então noticiou, a mulher contratou a empregada brasileira para o matar. Esta teve medo e passou a pistola a um compatriota. Foi ontem ouvido pelo juiz Nuno Dias Costa (filho de Dias Costa) no Tribunal da Amadora. Ficou em preventiva.

PORMENORES

CRIME DE 2006

Alípio estava a servir no seu café Aranhas, em Vale de Lobos, Sintra, quando o ‘cliente’ lhe deu, sem aviso, dois tiros na cabeça.

QUERIA A CASA

Em Junho desse ano, PJ deteve mãe e o casal. Mãe quis matar o filho para ficar com a casa.

Fonte : CM

Sem comentários:

Pesquisar